Caverna De Les Trois-Frères

Quem deseja um passeio histórico, inusitado, cultural e emocionante na França deve conhecer a Caverna de Les Trois-Frères (A gruta dos três irmãos). Localizada na região Midi-Pyrénées, no departamento de Ariège, em Montesquieu-Avantès. O complexo sistema de cavernas no sopé dos Pirineus franceses centrais, donde flui o rio Volp, conta com três passagens subterrâneas, Le Tuc d’Audoubert a oeste, Les Trois-Frères no centro e Enlène ao leste.

O primeiro estilo de arte conhecida é a rupestre ( gravação, traçado e pintura sobre suporte rochoso) e se manifesta-se por desenhos e símbolos artísticos nas paredes das cavernas (além de esculturas). Para tanto eles utilizavam extrato de folhas, terra colorida, fragmento de rochas, sangue, pelos, etc. Era a principal forma de o homem pré-histórico se expressar, antes de surgir a linguagem escrita, o que contribui para o estudo do dia a dia do homem primitivo.

Caverna De Les Trois-Frères, na França

Caverna De Les Trois-Frères, na França

“Trois-Frères” refere-se aos três irmãos, Max, Jacques e Louis, filhos do Conde Henri Bégoüen. Eles descobriram a caverna em 1914. Mas os traçados e pinturas só ganharam destaque com as publicações de Abade Henri Breuil. Foram então sendo reveladas várias figurações parietais que vêm do período Magdaleniano, como o famoso Bison modelado em argila, de 17.000 anos atrás.

As inscrições do paleolítico superior de representação iconográfica encontradas na Gruta possuem características artísticas que só encontraram seu apogeu no movimento impressionista, na década de 1980. Um exemplo da riqueza da arte na caverna é a presença da obra de representação mais antiga conhecida de uma divindade, O bruxo, ou também chamado de “O grande feiticeiro”, ou “O Deus com Chifres” (data de mais de dez mil anos a.C) – a figura de um homem vestido com a pele de um cervo e seus chifres em sua cabeça, como um ser humano camuflado; a interpretação mais comum é que diz respeito a um xamã tungus siberiano no meio de um processo de metamorfose. A obra fica numa passagem obscura e estreita da caverna, com gravura e pintura negra.

A maioria das artes encontradas na gruta são representações que misturam humanos e animais. O Bisão-humanoide, citado acima, possui uns trinta centímetros de altura, cabeça do animal e pernas humanas; como um ser mágico que revira os olhos na direção da obra ao lado, “Pequeno feiticeiro”. Os indícios são de que as imagens dos animais  estavam associadas a rituais religiosos.

O Feiticeiro de Les Trois-Frères é um exemplo da representação de que o homem tentava controlar os rebanhoS mediante técnicas mágicas, como animais flutuando, com mãos ao seu redor ou sobre eles, como posse do animal por parte de um xamã. Uma hipótese de pesquisadores é que, ao representar no desenho um humano disfarçado na forma de um animal caçador, ele estaria capturando a alma dos animais para que haja sucesso nas próximas caçadas. O que pode fortalecer a teoria é o fato de praticamente não haver figuras humanas representadas e, quando ocorre, elas aparecerem com uma espécie de máscara e disfarçadas de animais relacionados à caça.

Pintura Rupestre na Caverna de Les Trois-Frères

Pintura Rupestre na Caverna de Les Trois-Frères

Incontestavelmente a arte rupestre possui grande valor histórico, pois são informações quase únicas para o estudo de várias fases da humanidade. Mais do que a motivação estética da arte rupestre, ela traz informações preciosas sobre os hábitos e costumes das sociedades primitivas.

Gostou? Curta e Compartilhe!

Categoria(s) do artigo:
Europa

Artigos Relacionados


Artigos populares

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *