Cachoeira dos Macacos – Rifaina

A cidade de Rifaina, é um local estratégico de turismo ecológico. É uma cidade localizada na ponta nordeste do estado de São Paulo, com uma área total de 158 km² e com uma distância de exatamente 464 km da capital metropolitana de São Paulo. Conta com uma população aproximada de 3.500 pessoas, e as principais estradas que dão acesso à cidade são as rodovias  Franca-Araxá e a Cândido Portinari. Além de se destacar pelas belezas naturais a cidade de Rifaina destaca-se pela produção de café que são também de qualidade de exportação.

O local está localizado no flanco de um canyon do Rio Grande, e possui variações de altitude de 550 até 1040 metros. É caracterizado como uma escarpa íngreme e divide duas altas planícies. É formado por rochas metamórficas do conjunto canastra, rochas sedimentares Pirambóia e Botucatu. Contam com um solo muito arenoso e semelhantes dos arenitos.

Origem e História

A ocupação do município se iniciou possivelmente logo no início do século 18, no início integrava o Arraial do Cervo. A história desta cidade se une a história da região de Franca, intitulada de o “Sertão do Capim Mimosa”. Possui como rios importantes o rio Pardo e Sapucaí. A história se perde e se inicia com os bandeirantes no ano de 1722, na construção de estradas que ligavam as várias regiões, como São Paulo até as Minas de Ouro de Goiás.

Toda a região de Rifaina era habitada por índios Caipós, e a região ali era mais comumente citada como Desemboque, já que havia um povoado próximo que possuía este nome e era situado no município de Sacramento. Esta última cidade localizava-se na parte sul das Minas, e era uma região de porto, de embarque e desembarque pelo rio Grande.

Assim, a possibilidade de povoamento se tornou facilitada pelo acesso do rio e desembarques. Ao longo dos anos, os terrenos próximos ao rio grande foram sendo ocupados aos poucos por produtores e moradores rurais.

No ano de 1873 foi fundada e iniciada a paróquia de Santo Antônio da Rifaina, o término de sua construção foi realizada somente no ano de 1880, sendo declarado como igreja. Se tornou vila de Santo Antônio de Rifaina, e em 1888 recebeu a estação de estrada de ferro da companhia Mogiana, onde proporcionou um maior impulso ao desenvolvimento econômico e comercial. No dia 24 de dezembro do ano de 1948 deixou Santo Antônio para trás e passou a ser o município de Rifaina.

No ano de 1971 houve uma inundação na cidade que provocou grandes perdas em colheitas e safras de feijão, milho, arroz provocando um pânico econômico na cidade. O reservatório principal de Jaguara invadiu e transbordou, deixando as plantações e industrias submersas. Hoje a cidade faz parte dos Municípios de Interesse Turístico – MIT.

Represa de Jaguara

A represa foi inaugurada em 1971, mesmo ano em que atingiu de modo impetuoso a cidade de Rifaina. Mas hoje em dia, a represa é muito importante no que tange a economia local, já que é um dos atrativos turísticos do município.

Em suas características físicas, o lago artificial possui uma área de 33 quilômetros quadrados, e suas águas são calmas, muito propícias para a prática de esportes e atividade de lazer em balsas, barcos e jet ski. As margens da lagoa não são marcadas por muita floresta e mata, somente em alguns pontos é possível encontrar mata original.

Fauna e Flora

A vegetação do município e clima são favorecidos pelo cerrado, detém poucas florestas tropicais, sendo esta uma região de transação de cerrado e mata atlântica. A mata densa geralmente se localiza em relevos que são mais íngremes, diferentemente do que ocorre com regiões mais aplanadas do local, onde a grande maioria da vegetação foi removida, graças a ações diretas dos seres humanos.

Quanto a vegetação, é considerada uma das mais ricas dentre os biomas brasileiros, já que compreende campos abertos a áreas de florestas densas, assim preservando e acolhendo muita diversidade em espécies de vegetais e vidas. As árvores de locais mais aplanados e abertos, podem chegar a atingir 15 metros de altura, já nas matas originais estas podem atingir até cerca de 25 metros. São árvores muito comumente encontradas, o jatobá, o Ipê, o buriti, sucupira, dentre outros tipos de árvores.

As espécies de animais também são variados, existem várias espécies de artrópodes, mais de 50 espécies de mamíferos, cerca de 600 espécies de aves e 30 anfíbios. Os animais símbolos da região de Rifaina são Tamanduá-bandeira, suçuarana, tucanos, macaco prego, lobo guará e tantas outras espécies.

Cachoeira dos Macacos

Para se chegar a cachoeira dos macacos é necessário realizar uma trilha, acompanhada com guia, para não ter risco algum de se perder. É possível se deslumbrar com uma mata exuberante, em todo o caminho até chegar a cachoeira. Ao longo da caminhada pode-se contemplar grandes árvores e respícios da mata atlântica, uma flora e fauna muito rica e diversificada.

A cachoeira é uma queda de água de porte médio, é possível nadar, já que possui um poço formado pela queda da água e em seu leito há muitas pedras. Uma cachoeira incrível, porém não é muito citada como pontos turísticos em Rifina. É indicado para quem gosta de se aventurar em suas viagens.

Outros Pontos Turísticos de Rifaina

A cidade de Rifaina faz parte do MIT (Município de Interesse Turístico), sendo que em suas atividades de turismo visam o turismo ecológico, a contribuição para amenizar a degradação ambiental, sustentar programas e divulgações turísticas de educação ambiental, formação de fatores e recursos.

Não contam somente com o viés econômico do turismo, mas prezam a troca de saberes culturais das ciências sociais, da geografia, história, artes, fotografia, cultura local, sendo de suma importância para a cidade os aspectos socioculturais e socioambientais. Por meio do resgate às suas raízes e a valorização do que se têm, ao patrimônio natural, material e imaterial.

Além da orla da represa Jaguara, a ilha do amor, o Paredão do Estreito a região oferece outros locais de visitação como:

O parque Nacional da Serra da Canastra, fica a 50 km de distância da cidade e você pode comer e encontrar deliciosos queijos originais da Canastra! Seguem ainda na lista o parque estadual das Furnas do Bom Jesus; Museu Cândido Portinari; Complexo Grande Hotel; Centro de calçados de Franca; Fazenda Santa Maria em Conquista; Gruta dos Palhares em Sacramento, Museu do Dinossauro em Peiropolis e Patrimônio histórico em Sacramento, como a vila de desemboque, que deu origem a cidade de Rifaina.

Gostou? Curta e Compartilhe!

Categoria(s) do artigo:
Natureza

Artigos Relacionados


Artigos populares

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *